Câncer de mama: novas perspectivas

Em um estudo publicado recentemente na revista Oncotarget, pesquisadores do A.C. Camargo Cancer Center descreveram um conjunto de 26 genes com potencial para se tornarem biomarcadores de agressividade para um subtipo de câncer de mama conhecido como carcinoma ductal in situ (DCIS, na sigla em inglês).

O trabalho teve apoio da FAPESP e foi coordenado pela pesquisadora Dirce Carraro, do Laboratório de Genômica e Biologia Molecular.

“Se confirmada por novos estudos, a descoberta ajudará a personalizar o tratamento da doença, livrando pacientes com lesões consideradas indolentes de abordagens clínicas mais agressivas, como cirurgia e radioterapia”, afirmou Carraro em entrevista à Agência FAPESP.

Conforme explicou a pesquisadora, são classificados como ductal in situ os casos em que as células tumorais, de origem epitelial, ainda estão confinadas dentro dos ductos lactíferos – canais pelos quais o leite escoa durante o período de amamentação. Atualmente, não há biomarcadores capazes de predizer quais dessas lesões têm de fato potencial para se transformar em doença invasiva capaz de alcançar os tecidos adjacentes e causar metástase e quais delas podem permanecer relativamente estáveis e indolentes ao longo da vida, sem representar uma ameaça à vida da paciente.

De maneira geral, os DCIS são considerados pouco agressivos, sendo que 98% das pacientes diagnosticadas e tratadas da forma convencional não apresentam recidivas ou progressão da doença. O percentual das lesões que teriam risco de progredir se fossem deixadas livres de tratamento é controverso e, na dúvida, o consenso entre os médicos é submeter as pacientes diagnosticadas com esse subtipo de câncer mamário aos tratamentos mais agressivos, que incluem cirurgia para retirada da lesão e, em alguns casos, radioterapia.

Especialistas estimam, porém, que para uma parcela significativa das mulheres o tratamento poderia ser mais brando. Algumas poderiam até mesmo ficar livres de tratamento.

“Cerca de 30% das lesões detectadas na mama atualmente são diagnosticadas como carcinoma ductal in situ. A tendência é que esse número aumente à medida que evoluem os métodos de diagnóstico, uma vez que são lesões pequenas e não palpáveis, mas que podem ser identificadas durante o rastreamento. Por isso, hoje, há um esforço para encontrar biomarcadores que ajudem na avaliação do prognóstico e no planejamento da terapia”, explicou Carraro.

saiba mais…

Fonte: FAPESP

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s