Zika prejudica migração de neurônios

Estudos recentes confirmaram que a infecção congênita pelo vírus Zika – especialmente no primeiro trimestre de gestação – pode resultar em alterações cerebrais graves no recém-nascido, dentre as quais se destaca a microcefalia. Os mecanismos que levam à malformação do sistema nervoso central, no entanto, ainda não estão claros.

Novas hipóteses foram apresentadas por pesquisadores da Universidade Federal do ABC (UFABC) em artigo publicado na revista Molecular Neurobiology. Segundo os autores, as evidências científicas existentes até o momento permitem supor que a infecção pelo Zika prejudica a interação entre os neurônios e as células da glia, considerada essencial para o desenvolvimento do córtex cerebral.

O estudo foi conduzido durante o doutorado de Lais Takata Walter, com apoio da FAPESP e orientação do professor Alexandre Hiroaki Kihara, do Centro de Matemática, Computação e Cognição (CMCC) da UFABC.

Os pesquisadores revisaram diversos artigos publicados sobre os efeitos do Zika desde a explosão dos casos de microcefalia em 2015 e correlacionaram os achados à luz dos conhecimentos existentes sobre os processos de neurodesenvolvimento.

O trabalho contou com a colaboração de Márcia Aparecida Sperança, professora do Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH) da UFABC, além de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Reading, no Reino Unido.

“Há estudos indicando que a infecção pelo Zika modifica a expressão de genes codificadores de uma família de proteínas conhecidas como conexinas, responsáveis por promover a adesão entre os neurônios e as células da glia. Mas as consequências desse fato para o desenvolvimento do cérebro não foram exploradas nesses artigos”, disse Kihara.

As células da glia podem ser divididas, de acordo com sua forma e função, em oligodendrócitos, astrócitos, células de Schwann, células ependimárias e micróglias. Estima-se que no sistema nervoso central existem aproximadamente 10 células da glia para cada neurônio, mas elas ocupam apenas metade do volume do tecido nervoso em decorrência do tamanho reduzido.

De acordo com Kihara, os neurônios que formam o córtex cerebral são majoritariamente originados na zona ventricular, uma região que delineia os ventrículos cerebrais, onde se encontram as células precursoras neurais em proliferação. Boa parte da diferenciação dos neurônios ocorre durante o processo de migração para o córtex e, para que isso aconteça adequadamente, as células da glia funcionam como uma espécie de trilho orientador do caminho.

O artigo Evaluation of Possible Consequences of Zika Virus Infection in the Developing Nervous System pode ser lido em: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs12035-017-0442-5.

saiba mais…

Fonte: FAPESP

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s