Artigo gratuito avalia exposição ao mercúrio em humanos

O periódico Cadernos de Saúde Pública, v. 35 n. 2 de 2019, publicou artigo que avalia as evidências disponíveis sobre exposição humana ao mercúrio e seus efeitos hematológicos.

Todas as formas de mercúrio – o elemento não-radioativo mais tóxico do mundo – podem intoxicar as funções celulares ao alterar as estruturas terciárias e quartenárias de proteínas e a permeabilidade da membrana.

Seus efeitos na saúde humana podem induzir a mais de 250 sintomas, os principais são nos sistemas nervoso, respiratório, renal, cardiovascular e na pele. Mas qualquer órgão pode ser alvo de tal contaminação.

doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00091618

Acesse aqui o artigo completo!

Fonte: Cadernos de Saúde Pública

 

Anúncios

Fiocruz e Anvisa abrem 1000 vagas em especialização gratuita

testesA Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz (ENSP Fiocruz), em parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), está oferecendo 1000 vagas para especialização gratuita a distância do curso de Qualidade em Saúde e Segurança do Paciente.

Direcionado a graduados na área de saúde, enfermeiros e farmacêuticos, trabalhadores das secretarias de saúde estaduais e representantes de órgãos federais que atuem em áreas envolvidas com a segurança do paciente.

O curso com duração de 13 meses e carga horária de 448 horas sendo 408 a distância e 40 horas presenciais.

As inscrições estão abertas até o dia 28 de fevereiro de 2019. Não há taxa de inscrição.

Interessados devem entrar no site http://inscricao.ead.fiocruz.br/545 para preencher a ficha e anexar os documentos.

O resultado dos candidatos selecionados está previsto para ser divulgado para o dia 26/03/2019, no portal EAD/ENSP/Fiocruz (www.ead.fiocruz.br) e no site de ensino da ENSP (ensino.ensp.fiocruz.br).

Para mais informações acesse o edital: http://ensino.ensp.fiocruz.br/documentos_upload/Edital18.pdf

Fonte: FIOCRUZ

Acontece na Harvard

Transplantes de Medula óssea mais seguros

A nova pesquisa desenvolvida em Harvard, que provou ser bem-sucedida em  camundongos, pode levar a transplantes de células-tronco sanguíneas mais seguros, sem toxicidade.

Na foto, estão as células-tronco hematopoiéticas (brancas) que encontram seu nicho na medula óssea após o transplante.

https://news.harvard.edu/gazette/story/2019/02/new-method-improves-transplant-safety-in-mice/?utm_source=SilverpopMailing&utm_medium=email&utm_campaign=Daily%20Gazette%202-8-19%20(1)

Acesse o artigo na íntegra
https://www.nature.com/articles/s41467-018-08201-x

Fonte: Harvard

 

 

IPq busca voluntários para estudo internacional sobre TOC

voluntarioO Instituto de Psiquiatria do HC-FMUSP está recrutando pessoas saudáveis (para grupo – controle / comparação) e portadoras de TOC – transtorno obsessivo-compulsivo – que não estejam medicadas/fazendo uso de medicação para o TOC.

Os interessados devem ter entre 18 e 50 anos.

A pesquisa avaliará a influência de fatores como traumas, religiosidade e situação socioeconômica no desenvolvimento do TOC, e identificará marcadores cerebrais associados ao transtorno.

Os participantes receberão ajuda de custo para transporte, lanche e declaração de comparecimento.

Informações e inscrições para triagem pelo e-mail: protoc.projeto@gmail.com

Fonte: IPq/HC-FMUSP

Vírus da dengue pode gerar imunidade contra o vírus causador da Zika

dengueUm grupo internacional de pesquisadores, entre eles brasileiros de diversas instituições, identificou novas evidências de que uma infecção prévia pelo vírus da dengue pode gerar imunidade contra o vírus causador da Zika. A conclusão foi apresentada em um estudo publicado na quinta-feira na revista Science. De acordo com o trabalho, o organismo de quem já teve dengue produziria anticorpos capazes de impedir que o vírus Zika penetre nas células e desencadeie uma infecção.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores usaram dados de um amplo estudo envolvendo 1.453 moradores da favela de Pau de Lima, localizada em Salvador, na Bahia. Sabe-se que aquela comunidade convive com o vírus da dengue há pelo menos 30 anos e foi uma das principais áreas afetadas pelo Zika na epidemia de 2015.

Amostras de sangue coletadas antes, durante e depois de a epidemia se instalar na região foram submetidas a um ensaio para medir a resposta de um anticorpo produzido pelo sistema imune, a imunoglobulina G3 (IgG3), contra a NS1, proteína do Zika encontrada na corrente sanguínea logo nos primeiros dias após a infecção.

Os pesquisadores encontraram sinais de IgG3 em 73% das amostras colhidas em outubro de 2015, no auge da epidemia de Zika na região. Isso sugere que as pessoas em Pau de Lima tiveram bastante contato com o vírus transmissor da doença à época. Algumas, no entanto, não foram infectadas. Os pesquisadores, então, analisaram as amostras de sangue colhidas antes do início do surto de Zika, em março de 2015. Ao analisá-las, identificaram que alguns indivíduos tinham níveis bem elevados de anticorpos contra o vírus da dengue.

Os resultados levaram os pesquisadores a inferir que múltiplas exposições ao vírus da dengue teriam protegido as pessoas contra o Zika. “Nossos achados sugerem que cada duplicação dos níveis de anticorpos contra dengue corresponde a uma redução de 9% no risco de infecção pelo Zika”, explica o médico brasileiro Ernesto Azevedo Marques, do Departamento de Microbiologia e Doenças Infecciosas da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, e um dos autores do estudo na Science.

Acesse o artigo científico, assinado por Rodriguez-Barraquer, Isabel et al.: Impact of preexisting dengue immunity on Zika virus emergence in a dengue endemic region (Publicado na revista Science. v. 363, n. 6427, p. 607-10. fev. 2019).

Fonte: FAPESP

UNA-SUS oferece curso gratuito em Urgência e Emergência na Atenção Básica

abertura_UE

Estão abertas as matrículas para três cursos que fazem parte do Programa de Qualificação Profissional em Urgência e Emergência na Atenção Básica, oferecido pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), integrante da Rede UNA-SUS. O Programa de Qualificação pretende qualificar os trabalhadores que atuam na Atenção Básica do Sistema Único de Saúde para o atendimento inicial de situações de urgência e emergência, que podem ocorrer na comunidade ou nos serviços em que os profissionais atuam.

Com os cursos, espera-se que os profissionais de saúde identifiquem a gravidade do estado de saúde dos usuários, por meio da avaliação de sinais e sintomas, detectem rapidamente alterações fisiológicas e possam manter as funções vitais até que se defina o diagnóstico e o tratamento adequado seja iniciado, explica a Coordenadora Técnico-pedagógica da UNA-SUS/UFPE, Josiane Machiavelli. “Se os profissionais de saúde realizarem os procedimentos que lhes cabem, a assistência será mais resolutiva e certamente haverá diminuição da morbimortalidade da população”, diz.

Este Programa de Qualificação pretende contribuir com a formação dos profissionais que atuam na atenção básica para o atendimento inicial de situações de urgência e emergência que podem ocorrer nas comunidades, em unidades básicas de saúde, unidades de saúde da família e Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF).

Ao longo de 2019, serão disponibilizados cursos para profissionais de níveis superior e médio.

Informações gerais
Tipo: cursos livres
Formato: coinstrucional (a distância, sem tutoria, mas com possibilidade de interação entre os participantes por meio de fórum de discussões)
Matrículas: conforme cronograma disponível aqui.
Prazo para conclusão:  conforme cronograma disponível aqui.
Vagas: 20.000 no total, distribuídas entre os cursos que serão disponibilizados.
Público: preferencialmente, profissionais de saúde que atuam na Atenção Básica do SUS.
Carga horária: o Programa é composto por vários cursos, com diferentes cargas horárias. Verifique mais informações aqui.
Investimento: o curso é gratuito

Fonte: UNA/SUS

Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior

bolsasA Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PRPG) lançou o edital do Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE), que oferecerá, em 2019, 259 bolsas de um ano (ou 518 bolsas de 6 meses) para alunos de doutorado complementarem seus estudos em centros de pesquisa no exterior.

As bolsas são destinadas exclusivamente aos alunos matriculados em cursos de doutorado participantes do Programa PrInt USP/Capes, e o curso poderá ser realizado em uma das 50 universidades parceiras internacionais, preferencialmente, ou em outras instituições de livre escolha.

A princípio, o processo de seleção será realizado em duas etapas. Na primeira etapa será oferecida apenas uma bolsa de um ano (ou duas bolsas de seis meses) por programa. Na segunda etapa, as cotas excedentes previstas serão distribuídas a todos os programas inscritos no PrInt USP/Capes, obedecendo a critérios de mérito.

Se após a finalização da segunda etapa ainda houver cotas não distribuídas, poderá ser realizada uma terceira etapa de seleção.

“Nosso principal objetivo é aumentar o número de pós-graduandos da USP em programas de dupla titulação com centros internacionais de excelência, ampliar a colaboração entre pesquisadores brasileiros e estrangeiros, e incorporar novos modelos de gestão de pesquisa”, explica o pró-reitor de Pós-Graduação, Carlos Gilberto Carlotti Jr.

Cada programa de Pós-Graduação deverá divulgar aos seus alunos e orientadores o cronograma estabelecido para o recebimento das inscrições. Já os programas terão até o dia 1º de abril para enviar a relação dos candidatos escolhidos para participar da primeira etapa de seleção.

edital completo está disponível na página da Pró-Reitoria de Pós-Graduação ou na página do PrInt USP/Capes.

O PDSE é uma das principais ações do programa PrInt USP/Capes, que investirá R$ 144 milhões nos próximos quatro anos para aumentar a inserção da pós-graduação da USP no cenário internacional.

saiba mais…

Fonte: USP