Lançada nova versão do Observatório de Produção Intelectual – OPI

http://www.observatorio.fm.usp.br

Em 29/06/2018 foi lançada, na Congregação da Faculdade de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, a nova versão do Observatório da Produção Intelectual  do Sistema FMUSP-HC (OPI).

A versão conta com novos layout e funcionalidades:

  • Índice H da Comunidade e Subcomunidade;
  • Gráficos da produção científica de artigos indexados.
  • Lista de publicações com número de citação;
  • Página personalizada;
  • Afiliação do pesquisador no Sistema;
  • Link para o Currículo Lattes; ResearcherID e ORCID;
  • Opção de exportação para gerenciadores de referência;
  • Quadro de coautoria com o Sistema;

O OPI, além de ser um repositório institucional, é um observatório da Produção Intelectual do Sistema FMUSP-HC. Tem o compromisso de coletar, organizar, analisar, preservar e disponibilizar essa produção, de modo a contribuir com a gestão do conhecimento relacionado à pesquisa científica na área das Ciências da Vida e da Saúde.

Fonte: Biblioteca Central

Anúncios

Como calcular Índice-H de um pesquisador na Web of Science

O Índice-H é um importante indicador de qualidade e relevância na produção científica. Saiba como ele é calculado para pesquisadores na base Web of Science (WOS)
O que é Índice-H?

O Índice-H foi proposto em 2005 pelo professor Jorge Hirsch da Universidade da Califórnia. O seu método consiste em relacionar o número de publicações científicas com o número suas citações, tornando-se um parâmetro avaliativo de um autor.

Em pouco tempo este índice foi adotado não só para avaliar pesquisadores, mas também universidades, grupos de pesquisa e revistas científicas. A vantagem deste índice é sua simplicidade e objetividade, resumindo em um único número a produtividade e a relevância do trabalho científico.

Como se calcula o Índice-H de um pesquisador na WOS?

O Índice-H de um pesquisador é obtido pelo número de artigos publicados por ele que tenham citações de número igual ou maior a este número. Por exemplo, um Índice-H 8 significa que um autor tem, no mínimo, 8 artigos publicados e estes receberam pelo menos 8 citações cada um.

Acesse o passo-a-passo aqui!

 

Fonte: UFSCar

Palestra gratuita discute a Liberdade de Expressão na Produção Científica

hiaeNo dia 4 de março, acontece a palestra Liberdade de Expressão na Produção Científica, ministrada por Lia Queiroz do Amaral (professora aposentada do Instituto de Física da USP), dentro da série de encontros Física para Todos.

Serão discutidos importantes tópicos, como os diferentes tipos de pesquisa, o sistema de avaliação de pares, além de um panorama da produção científica atual. O objetivo é facilitar a comunicação entre ciência e público.

A palestra acontece das 10h30 às 12 horas, no Auditório da Biblioteca Mário de Andrade. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas neste link.

Local:
Biblioteca Mario de Andrade – Auditório
Rua da Consolação, 94 – CEP 01302-000 – São Paulo, SP

Fonte: USP

Plataforma bibliométrica SciVal disponível na USP

A plataforma bibliométrica SciVal (www.scival.com) da Elsevier está disponível para os usuários USP.
Trata-se de ferramenta para apoio à coleta e análise da produção científica da Universidade de São Paulo.


A plataforma SciVal possui um portfólio de ferramentas de análise de indicadores de produção científica desenvolvida pela Elsevier, que tem como fonte de dados o Scopus e o Science Direct. Possui Quatro Módulos: overview, benchmarking, collaboration e trends.
Permite realizar análises bibliométricas da produção científica de uma determinada instituição, país , região, autor ou grupos de autores, ou ainda em revistas, desde que o material esteja indexado na base de dados Scopus (www.scopus.com).
Possibilita, dentre outras funcionalidades, obter um panorama de desempenho e impacto de pesquisa, analisar produtividade de um autor ou universidade, identificar a colaboração de uma determinada instituição com outras no âmbito internacional, nacional e regional, possibilitando reconhecer potenciais parceiros, acompanhar tendências de pesquisa mundial, regional, nacional e institucional, de acordo com as distintas áreas de conhecimento.
Seu acesso é por meio login e senha (os mesmos utilizados para a Scopus), e o cadastro para quem ainda não o possui pode ser realizado na página do produto (www.scival.com).
O uso está restrito aos computadores da USP e VPN.
Fonte: SIBIUSP

USP agora é membro da ORCID

USP – Universidade de São Paulo agora é membro da ORCID Initiative.

O Sistema Integrado de Bibliotecas da USP – SIBiUSP está preparando toda a infraestrutura para facilitar a vida dos pesquisadores.

ORCID (Open Researcher and Contributor ID) é um identificador  digital  persistente para o autor. ORCID está para o autor assim como o  DOI está para um documento digital. ORCID é um código alfanumérico de 16 caracteres, lançado em outubro/2012. Tem a finalidade de diferenciar um autor de qualquer outro, ainda que tenha homônimo ou que tenha publicado, sido citado e/ou indexado de formas variadas. Identifica um único autor fazendo conexão automática com toda sua produção científica, onde quer que tenha sido publicada. O cadastro para obtenção do ORCID é gratuito e poderá ser feito individualmente ou pela instituição. É um código interoperável com outros sistemas ID, o que quer dizer que permite importação/exportação de dados com o ResearcherID, sistema proprietário da Thomson Reuters, por exemplo.

Assista ao vídeo e saiba mais.

Fonte: DBD/FMUSP

Análise de rankings e produção científica brasileira

Tese de doutorado defendida em 2015 na Universidade de São Paulo (USP) reuniu um conjunto de dados e argumentos que ajuda a compreender por que o Brasil tem um desempenho relativamente modesto em rankings internacionais de universidades.

A pesquisadora Solange Maria dos Santos, coordenadora de produção e publicação da biblioteca eletrônica SciELO, analisou uma década de produção científica brasileira (2003-2012) e esmiuçou a metodologia adotada por seis desses rankings para entender, por exemplo, por que há discrepância no número de instituições brasileiras entre as melhores do mundo – um deles registra apenas duas instituições nesse clube, enquanto outros enxergam até 22. Outra questão abordada envolve um aparente paradoxo: se o Brasil tem bom desempenho em rankings vinculados a certas áreas do conhecimento, como medicina e agronomia, por que isso não se reflete nos rankings gerais?

Segundo a pesquisadora, parâmetros de seleção adotados pelos rankings limitam a participação de mais universidades do país. “Um dos critérios de corte é o volume da produção indexada em bases internacionais. Por isso, grandes instituições, com indicadores robustos de pesquisa e ensino, têm mais chance de classificação. Os rankings selecionam um número restrito de instituições – na maioria das vezes, as 500 melhores – num universo de mais de 16 mil universidades no mundo”, diz Solange, que defendeu a tese na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP e realizou parte da pesquisa na Espanha, na Universidade Carlos III, de Madri.

leia a matéria completa

Acesse a tese completa aqui!

Fonte: FAPESP

Evento debate Produção do Conhecimento e Políticas Editoriais em Universidades

O Centro de Documentação e Memória da Unesp (Cedem) promove, dia 16 de junho, às 18h30 evento que discute Produção do Conhecimento e Políticas Editoriais em Universidades.

O objetivo é propor o debate de políticas editoriais que incentivem a eficiente produção e disseminação do conhecimento acadêmico.

Participam do debate o diretor-presidente da Fundação Editora da Unesp, Jézio Gutierre, a curadora do Prêmio Jabuti, Marisa Lajolo, e o editor Jiro Takahashi, também professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

O evento parte do pressuposto das editoras como espaços que ajudam a sociedade a trilhar um caminho de maior lucidez, conectado ao mundo contemporâneo, e também é baseado na experiência da Fundação Editora da Unesp, que possui como meta a democratização do conhecimento.

A entrada é franca, mas os interessados devem se inscrever previamente neste link.

Local:
CEDEM
Praça da Sé, 108

Fonte: Agência USP de notícias